Pior do que os presidenciáveis é o nível do questionamento da sociedade

Pior do que os presidenciáveis é o nível do questionamento da sociedade, em geral, aos políticos. Estamos todos perdidos. Tomo como referência a entrevista do Jornal O Globo, em destaque, hoje, 10/09/2010, feita pelo grupo seleto de jornalistas do O Globo com a candidata a presidência da república Marina Silva. Se filtrarmos todas as perguntas, poderíamos muito bem classificá-las em generalistas ou fora dos interesses imediatos e urgentes da população.


A minha bússola política me diz que o problema, para desespero da esquerda raivosa, é a falta total de ambiente competitivo. Esse filtro iluminaria varias questões de interesse nacional. Por exemplo: A questão do BNDES. Do que se trata? Sob o filtro da competição, temos os seguintes efeitos:


1) Dar dinheiro barato apenas para os amigos;


2) Dar remuneração miserável a turma que sustenta os fundos do BNDES – se for FGTS, há um arrocho a essa turma poupadora. Se for impostos, há um custo descabido a toda sociedade, pois o custo da dívida interna está acima do que se cobra aos felizardos credores do BNDES.


3) Criamos gigolôs do governo, ao invés de empresários legítimos. Com a grana fácil e em borbotões, uma aplicação paralela e muito amiga, para um financiamento que se pagará em dez anos, na modalidade balão, já garante um principal grátis para o espertalhão. E você sabe: onde tem gigolô tem que ter prostitutas e prostitutos.


4) E o mais importante. Isso é ilegal, porque já retrata que há prejuízos para uns (a maioria) e benefícios para outros (a reduzidíssima fração de empresários poderosos).


O engraçado é que temos visto um clamor por mais governo atuando na área social, sem que seja confrontado com o outro lado da moeda: os que sugam os recursos públicos. Basta adotar a bússola da necessidade de se buscar um ambiente competitivo para que tenhamos a seleção natural dos políticos comprometidos com a solução de nossas mazelas. Mais engraçado, ainda, é que são os partidos do socialismo, como o PSTU e PCO, que apontam as mazelas da falta do ambiente competitivo,embora preguem medidas que não sabemos bem o alcance.


Moral da estória: ambiente competitivo, longe de ser um Laissez-Faire desvairado e solto no mundo, assenta-se e muito bem na legalidade e na justiça. Essa é a minha bússola na solução do problema de se encontrar professores políticos sérios que implementarão suas soluções.


Dentro dessa lógica, tenho pensado nos seguintes professores da política:


a) Presidência da República: Marina Silva - não gosto do seu discurso, pois não atende o requisito da competitividade. Mas é, dos piores, o melhor candidato.


b) Governador: Rodrigo Dantas do PSTU. Diz claramente que não terá acordos com os empresários que loteiam Brasilia. Fala ainda em prender os corruptos, embora não fale dos corruptores; os bandidos mais importantes que devem ir para a cadeia de imediato.


c) Senador: Robson do PSTU - quer acabar com o Senado Federal e Abadia que é da turma do Roriz, mas sei que não me pegará de calças curtas e com certeza irá contrabalançar o socialismo caipira do PSTU.


d) Deputado Federal: Reguffe - vai andar qual zumbi na Câmara Federal, pregando o fim do voto obrigatório, embora não fale no voto distrital, e isso, por si só, me basta. O resto acredita que pode fazer algo.


e) Deputado Distrital: Guinle do PSTU – não quer acordo com os empresários locais que atuam destruindo o DF, principalmente pela modificação esperta do nosso Plano Diretor (deixo registrado o meu carinho político com o Wasny - pena que seja petista).


Não me cobrem coerência no meu voto. Não é só você que está perdido.



Comentários

  1. Excelente artigo, professor.
    Eu sinto a mesma revolta que o Senhor quando vejo o que está acontecendo com a política brasileira.
    Dentre os seus candidatos, dois também são os meus e um pela metade.
    Para presidente votarei na Marina e para governador estou com o Newton Lins (por enquanto). Para federal será o Reguffe e os dois senadores serão do partido verde. Para deputado distrital estou com o Wasny. O partido mata, mas o candidato é bom.
    Estamos caminhando praticamente no mesmo barco, professor, em um mar de poucas opções de pescaria.

    Forte abraço!
    Sérgio Ricardo

    ResponderExcluir
  2. Off Topic:

    Até a Maria da Conceição Tavares sabe que não esta havendo desindustrialização, mas o SERRA teima que sim...

    Vejam:

    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/797136-nao-tem-mais-centro-e-periferia-afirma-maria-da-conceicao.shtml

    ResponderExcluir
  3. Marcão,

    Tu é mesmo um comuna!!!! 3 votos PSTU, um deputado federal da base de apoio ao governo (PDT coligado com o PT) e tua candidata a presidente era ministra petista até ontem. Vermelhão!!!

    Abraço,

    Roberto

    ResponderExcluir
  4. Alo Roberto. Bom tê-lo por aqui.Eu proclamei meus candidatos e confessei que estou perdido. Não por vontade própria. Mas por total falta de opção. Você sabe: No Brasil, a direita é esquerda e a esquerda é essa merda mesmo do PT e Cia. Agora,não deixe de proclamar o seu voto. Pode ser em prosa ou em verso. Fique a vontade. A casa é sua. Um abraço e vamos em frente e não deixe de comentar sobre a opinião do jornalista que diz que a taxa de desemprego no Brasil, por conta do Bolsa familia, é estratosférica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas