A desobediência civil é necessária para coibir a desobediência geral.

“O melhor governo é o que menos governa. Levada a cabo tal expressão, equivale a dizer: o melhor governo é o que não governa de modo algum. O governo é apenas uma conveniência; entretanto, a maioria dos governos são inconvenientes. O governo é um expediente mercê do qual os homens, de bom grado, logram deixar-se em paz uns aos outros.” É isso o que quero: menos governo e apenas Leis essenciais que sejam cumpridas.

Na eleição passada votei em quem achei fosse sério. Só isso. Daí que, no segundo turno, para presidente, votei em branco. Não me arrependo e, agora, tomando conhecimento dos atos da futura presidente da República que, em nome do que não é, se arvora em exercitar o que há de mais podre no poder: usufruir de privilégios fora da lei ou do padrão ético de gente civilizada. Foram duas notícias bizarras. A primeira dá conta de que a futura Presidente veraneou em casa de bilionário. A segunda é que já transferiu a família para a Granja do Torto. Tudo isso, certamente, é fora da Lei ou no mínimo da boa conduta de quem é servidora pública. Não perderei tempo discutindo o que é ímprobo: ministério público em ação. Fim dos deslizes, pequenos ou grandes.

Essa é a razão fundamental para a manutenção da pobreza, da degradação ambiental e da pilhagem do setor público pelo setor privado. As leis básicas não são cumpridas e ninguém consegue expressar corretamente sua discordância. É pelo fato de não se ter leis ou de existirem apenas no papel que andamos para trás recorrentemente. O desmonte do nosso ordenamento jurídico é a causa causadora de todas as nossas mazelas. Este desmonte atende aos interesses de quem pilha a sociedade. É assim no orçamento público. É assim nas cidades e no campo.

Como não podemos contar com salvadores da pátria, não serão os juízes que julgarão as leis esdrúxulas, embora haja um arsenal mínimo de regras que poderia colocar a pique os fraudatores e bandidos soturnos. Pior ainda é que não será através de uma outra Constituinte, nos termos da de 1988, que iremos poder rever as leis e regras em geral. Que atirem a primeira pedra quem souber o próprio caminho das pedras.



Comentários

Postagens mais visitadas