Again: Bolha é o catzo !


E essa bolha imobiliária que nunca explode? Não explode e nem irá explodir, como já percebera em post anterior:  http://chutandoalata.blogspot.com/2010/04/indice-de-precos-de-imoveis-e-bolha.html. A razão é simples: crédito a rodo e concentração populacional. Esses são os dois fenômenos mais importantes, segundo meu juízo ou falta de, que carregam os preços dos imóveis para o patamar pretensamente exagerado. Claro, necessitamos de uma medida que caracterize a normalidade, ao invés da bolha. Certamente, para uma localidade ser a bolha da vez deveria apresentar preços estapafúrdios. Em circularidade óbvia , resta definir o que seria preço estapafúrdio. Vamos a ele: se o preço do metro quadrado em uma localidade for superior ao de uma localidade claramente preferível a ela, podemos confiar que há algo errado e uma bolha seria candidata possível para a explicação do fenômeno. Em contraposição à bolha, para nós brasileiros, basta tomar em consideração uma cidade como Paris em que o m2  numa localidade chique ou da moda chega à R$ 22 mil e confrontá-la com uma localidade semelhante no Brasil, como a dos Jardins em São Paulo que está por volta de R$ 12 mil. Além disso, uma bolha deveria permitir, para quem acredita na sua existência,  ganhos espetaculares, de forma que muitos seriam estimulados a vender no mercado em alta e comprar no de baixa, quando a bolha explodir. Cadê que os preços relativos mudaram em tal magnitude pra fazer a turma correr de um lado pro outro?

Quanto ao fenômeno do crédito pouco tenho a acrescentar. Me interessa falar é sobre a tal da concentração populacional que decorre, em grande parte, do funcionamento do nosso modelo econômico excludente. A concentração continua a todo vapor (embora alguns Estados, como São Paulo, se  observe alguma retração na emigração) e Brasília é o melhor exemplo. Não é à-toa que os preços dos imóveis aqui em Brasília continuam a subir. Como sabemos, as cidades urbanizadas têm a sua força enigmática de atração da pobreza. A aritmética é simples, em causalidade possível de ser testada. Se um indivíduo, vindo dos cafundós do Brasil, aceita morar em condições precárias como as favelas do Rio de janeiro ou de São Paulo, de duas uma: ou o  cara foi expulso do seu habitat natural ou o seu habitat natural é muito mais pobre do que encontrou nas favelas cariocas ou paulistas.

Por fim, o mais estranho: quem realmente está ficando melhor com esse aumento propalado pela mídia no mercado imobiliário brasileiro? Certamente poucos, porque, se saio do mercado imobiliário, irei para aonde?



Comentários

  1. Professor,

    Eu escrevi recentemente em meu blog a minha crença na constituição de uma bolha imobiliária em Brasília, não em curto prazo, mas levantei alguns fatores a considerar.

    Caso tenha interesse em ler, o endereço é: http://bdsergio.blogspot.com/2011/08/acredito-que-existe-o-inicio-de-uma.html

    Vai muito de encontro com sua análise na comparação de ativos.

    Sei que o comportamento da demanda é que está elevando os preços, mas tem que se considerar que parte dessa demanda é "artificial" devido aos incentivos e subsídios do estado.

    Abraço!
    Sérgio Ricardo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas