A confusão em que os imberbes envolveram Mankiw


Pegaram pra Cristo um dos professores ícones que ensina economia introdutória. Seu livro é, de fato, um dos melhores sobre o assunto e, sem dúvidas, melhor representa a caricatura da ciência econômica. Entretanto, o debate em que envolveram o Professor Mankiw é mais profundo do que faz sugerir o próprio Mankiw. Além do mais, esquece ele mesmo de citar o pito que Lucas lhe deu, registrado na literatura em Lucas, Robert Jr., 1994. "Comments on Ball and Mankiw”. Lucas repreende Mankiw e Ball que afirmaram em seu artigo “ A sticky-price manifesto” que muitos economistas estariam presos em seus trabalhos às ideologias diversas que existem por aí. Lucas retrucou com firmeza e lhe disse que trabalhava seriamente e, se esse fosse o caso, o que faz e fez não seria útil. Recomendou que Mankiw trabalhasse com mais seriedade.

Agora, de certa forma Mankiw repreende seus alunos na mesma moeda de Lucas. Entretanto, nós economistas sabemos que nossa ciência está no limbo da precariedade. Que há também um certo fascínio pelos modelos, mesmo quando pouco falam à realidade. Para piorar, nossos testes são precários e a econometria se assemelha mais a um esquema de torturar os dados do que a implementar um teste factível. Em minha metodologia, sempre estranhei o comportamento dos economistas que usam e abusam da econometria. No mesmo compasso, os testes deveriam preferencialmente ser simples e não complexos. Nossas hipóteses teriam que ser validadas em todos os testes e principalmente pelos mais simples. Mas não é essa a prática da grande maioria dos economistas. Pelo contrário. Quando o teste rejeita a teoria, inventam novos testes. Isto tudo sem falar na fraqueza dos dados. Para piorar nossas vidas, as prescrições e projeções feitas pelos economistas são simplesmente ridículas. Erramos como daqui a Lua, na calculadora dos físicos que discutem magnitudes ínfimas para seus erros.

Além desse imbróglio cientifico, aceito a pior de todas as críticas: o festival de opiniões sobre temas importantes que os economistas lançam à opinião pública. Por fim, registro também que um grande número de economistas fazem críticas ou prescrições de políticas sem considerá-las imbeles. A razão é simples: geralmente estão do lado oficial e mandatário. O pior exemplo recente de nossa prática de politica econômica mequetrefe veio dos últimos nobéis em economia: estariam perplexos e sem respostas para a crise presente. Naturalmente, os físicos fazem chacota sobre Nobel em economia.

Fazem muito bem os alunos em criticarem a ciência econômica. Eu sempre , fortemente, a considerei como economia política e nesse sentido, mas com um sentimento oposto, relembro Mankiw: humildade é que tem que ser a regra para os economistas. Claro, aos alunos também vale a regra da humildade. Por vezes, exageramos. Mankiw bem sabe disso.


Comentários

  1. Lucas Dayrell de Almeida13 janeiro, 2012

    Professor gostei muito do seu texto, vc já pensou em publicá-lo no mural do grupo UCB economia do facebook, eu recomendaria, mas se o senhor não quiser me daria permissão para isso?
    Ou apenas para citar o seu blog?

    Lucas Dayrell de Almeida

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas