Entrevista Veja - Prof. José Alexandre Scheinkman: algumas observações

Brasília, 05 de Janeiro de 2014
Entrevista: José Alexandre Scheinkman
Autor(es): Malu Gaspar
Veja - 30/12/2013

"É preciso mudar a mentalidade"

Um dos mais influentes economistas da atualidade diz que o Brasil deve se despir de velhas ideias e encarar de uma vez por todas as reformas para alcançar um novo patamar

Há mais de quatro décadas nos Estados Unidos, o carioca José Alexandre Scheinkman, de 65 anos, construiu uma carreira acadêmica brilhante como professor, com passagens pelas universidades de Chicago, Princeton e, agora, Colúmbia, em Nova York. Ao longo de sua trajetória, foi parceiro em estudos de ganhadores de prêmios Nobel e de xerifes da economia, como o presidente do Fed (o banco central americano), Ben Bernanke. Autor e analista renomado, tornou-se uma voz influente nas altas esferas das decisões econômicas, mas nunca deixou de lançar um olhar especialmente perspicaz sobre o Brasil, que visita com frequência. Em sua mais recente passagem por São Paulo, ele falou a VEJA sobre como a falta de regras claras e estáveis para investimentos e a permanência de focos de protecionismo continuam emperrando os avanços e mantendo o país na rabeira do bloco de nações mais promissoras.

Por que a economia brasileira patinou em 2013?

O fraco desempenho do PIB é um retrato de erros do governo em questões cruciais para o avanço da economia. Ele foi excessivo de um lado, ao promover o protecionismo e interferir no livre mercado, e ausente de outro, já que deixou de criar as condições para que o Brasil melhorasse sua produtividade. Ao se abster de enfrentar as reformas necessárias, precisou recorrer a ajustes pontuais que, como se sabe, não funcionam a longo prazo.

Falo do congelamento do preço de combustíveis e energia para conter a inflação — mais um remendo que não traz crescimento sustentável. Enquanto o país teve um ano medíocre, é bom que se lembre, a economia mundial se recuperou, impulsionada pela indústria de tecnologia e pela novidade energética do gás de xisto, nos Estados Unidos, pelas boas perspectivas do Japão e ainda pela China, que não desacelerou tanto quanto se temia.

“ Sinto falta na argumentação do Prof. José Alexandre Scheinkman de referência explícita a um modelo. Ter um modelo é essencialmente ter uma estória com inicio, meio e fim. Tal abordagem nos permite concentrar esforços em poucas variáveis. O crescimento pífio só seria explicado através de um modelo sobre a dinâmica da economia brasileira. Não se trata de erro de política econômica. O modelo de crescimento pífio vem sendo gerido em conformidade com o mesmo, cuja essência se resume em pilhagem.  Ver Post anterior.”

O Brasil pode reverter a situação em 2014?

Só haverá avanços reais se o governo encarar as reformas pendentes, desonerando a produção e elevando a competitividade. O problema é que essas medidas costumam ter custo imediato e benefícios a longo prazo — justamente o avesso do que os políticos buscam em ano eleitoral. O mais provável é que elas fiquem para o próximo mandato. Torçamos para que não.

Mesmo com todos os problemas, o Brasil era até recentemente o país onde o mundo queria investir. O que fizemos de tão errado a ponto de espantar o capital estrangeiro?

A verdade é que nem a economia brasileira estava tão bem nos tempos de euforia nem está tão ruim agora, apesar de tudo. Houve, isto sim, um otimismo exagerado, próprio de um momento em que as economias avançadas deixavam de ser atraentes. Quem tinha dinheiro sobrando começou a prospectar oportunidades em novos lugares e setores. Bastava dizer "infraestrutura" e "Brasil" e os cofres se abriam. Os investidores mais otimistas queriam injetar capital aqui de qualquer maneira, mesmo que os projetos não estivessem muito bem fundamentados.

E olhe que não era gente desinformada: os maiores fundos americanos, aqueles que todo o mercado considera mais espertos e agressivos, investiram muito em negócios brasileiros.

"Três pontos para as considerações acima que as resumo assim: 1) “ desonerando a produção e elevando a competitividade; 2) o que fizemos foi tão errado a ponto de espantar o capital estrangeiro e 3) os maiores fundos americanos investiram muito em negócios brasileiros”. Em primeiro lugar, elevar competitividade só será possível no longo prazo, quando o modelo tiver sido atacado de frente , conforme post referido acima (claro, se redução de custo de forma inadequada, como mexida em cambio, proteção, etc que acarretem custos à sociedade configurar como conquista de competitividade, incorremos em equívoco). Em segundo lugar, o capital estrangeiro só se interessa pelo Brasil em função das altas taxas de juros. Vem aqui para financiar a dívida pública .Claro, o modelo de industrialização tem como foco as multinacionais e aí o capital externo vem atender esses interesses. Mas isso é outro assunto. Por isso, em terceiro lugar e associado ao segundo problema, temos que desvendar que capital é esse que vem aqui para investimento direto. Dois os canais: o da privatização e o das próprias multinacionais. Nenhum dos dois necessitaria, em um mundo normal, de apoio governamental. Seriam decisões privadas. Há algo a ser desvendado para esse capital externo. Pesquisa detalhada sobre isso entendo necessário".

Parece o cenário típico de bolha. A euforia com o Brasil foi isso, uma bolha?

Exato. As bolhas tendem a aparecer no rastro de grandes novidades, como ocorreu no caso da internet. Há uns anos o Brasil era essa novidade, um país que colhia os frutos de vinte anos de melhorias institucionais e um eficiente produtor de commodities. Em paralelo à bolha Brasil — e totalmente conectada a ela —, desenvolveu-se outra, a do Eike Batista. Eike surgiu como exemplo de sucesso que muitos políticos exploraram em proveito próprio e despertou grande interesse da imprensa, dois sinais comuns na formação de bolhas.

“A explicação de bolhas agarra-se a puro empirismo ou apenas ao neologismo da hora. Eike Batista   é uma estória ainda não contada, mas que certamente passa pela estória do seu pai – xerife da Vale e coisas correlatas.” Reconheço, Prof. José Alexandre é bastante prudente politicamente o que me parece correto para quem quer participar do debate Brasil sem ser chutado. Que me sirva de lição".  

O governo não demorou demais a deixar de financiar "campeões nacionais" como o Império X de Eike Batista?

Só posso atribuir tamanha insistência a uma questão ideológica. Felizmente, os dogmas do atraso vão aos poucos caindo. Houve um tempo em que até investir em educação era visto como coisa neoliberal. Não é mais. O triste é que abandonar determinadas premissas demora, e a lentidão tem seu preço. Nos trinta anos que levamos para entender a importância dos investimentos na escola, outros países deram grandes saltos. É uma competição dura, global, que não perdoa a inação. Se tivéssemos sido mais rápidos, estaríamos em outro patamar. Fenômenos como a bolha Eike vão e vêm e os mercados não aprendem. Mas nem todas as bolhas são completamente destrutivas. Elas podem deixar algum substrato positivo. No caso do Brasil, ficou um legado.

Que legado é esse?

O país precisa de portos, de ferrovias, e o fato de uma quantia razoável de dinheiro barato ter sido alocada em projetos nesses setores ainda virá a ter efeitos positivos. É uma pena que, por falta de um ambiente regulatório mais adequado, tenhamos perdido uma ótima chance de aproveitar melhor a onda de expectativas positivas sobre o Brasil. Mas, reforço aqui, considero exagerada a atual onda de pessimismo.

“ Se o modelo continuar a funcionar nos termos que sempre funcionou: dinheiro fácil aos grandes empresários, quer através dos bancos oficiais, quer através de programas de garantia de preço mínimo ou outros artifícios fiscais, esses investimentos só aumentarão os lucros das grandes empresas. O efeito para a sociedade seria até negativo, computando-se o esvaziamento do campo e o correspondente inchaço das cidades, com a favelização que disso decorre.

Onde está o exagero do pessimismo com o Brasil?

Não devemos subestimar a existência no Brasil de um empresariado eficiente, que compra e transforma companhias no exterior. O Brasil tem marcas já fortes e reconhecidas, como InBev, Natura e Havaianas, e é capaz de promover inovação em larga escala. Precisamos disseminar essa cultura e ganhar eficiência, produzindo cada vez mais com o mesmo número de braços. Produtividade é o nome do jogo, a força propulsora das economias que mais cresceram no mundo. Desde 1989, os Estados Unidos aumentaram a produtividade em 12%, a China, em mais de 50%, a Coreia do Sul, em 65%. E o Brasil praticamente não saiu do lugar, o que é imperdoável.

 "Diz o professor Jose Alexandre: “O Brasil tem marcas já fortes e reconhecidas, como InBev, Natura e Havaianas, e é capaz de promover inovação em larga escala.”  Como assim? Essas marcas não agregam inovações significativas. Na verdade retratam o Brasil: cerveja, flora local para perfumes e sandálias. Como o país seria capaz de promover inovação em larga escala? Teria que ter mais de 100 mil engenheiros sendo formado por ano. Teria que ter uma quantidade excepcional de cientistas, etc. E teria que ter a mudança do modelo. Levaria, no mínimo, uns 10 a 15 anos para que pudéssemos estar no rol da China, Coreia do Sul e outros iguais (sem fazer contabilidade do crescimento, mas apenas considerando o padrão de crescimento). 

O que funciona mesmo quando o objetivo é aumentar a produtividade?

Antes de tudo, reproduzir em larga escala iniciativas já testadas com sucesso, dentro e fora do país. No Brasil, o melhor exemplo vem da agricultura, que experimentou ganhos notáveis de eficiência nas últimas décadas. Isso se deve, em grande parte, à criação da Embrapa, um centro de inovação com pessoal e estrutura capazes de obter soluções sob medida para nossas necessidades e desenvolver técnicas revolucionárias para o agronegócio. O Brasil multiplicou por quatro a produção de milho, enquanto a área cultivada caiu à metade. Conseguiu também transformar a cultura da cana em uma indústria moderna. Enfim, o campo está repleto de exemplos inovadores que devem ser copiados.

“ A EMPRABA ainda não contabilizou os efeitos dinâmicos de seus programas. Pela contabilidade de suas patentes, o quadro é decepcionante ou tem algo de esquisito que não sei explicar. De qualquer forma, trata-se de um empreendimento que não nasceu hoje. Ou seja, novas embrapas também demandariam tempo e recursos. Recursos públicos. De novo, o modelo vigente tem que ser desarmado para que os recursos venham ao destino que desejamos".

Por que é tão difícil replicar esse bom DNA em outros setores?

Precisa haver uma mudança de mentalidade. A agricultura brasileira evoluiu justamente por ser um setor menos protegido e mais competitivo. Já a indústria funciona na mão inversa. A reserva de mercado na informática fez o Brasil perder tempo precioso; a exigência de conteúdo nacional mínimo em tantos segmentos também não ajuda. São todas iniciativas protecionistas que fecham a economia ao mundo e refreiam os ganhos de produtividade. As montadoras de automóveis recebem subsídios desde que se instalaram no Brasil, nos anos 1950, e até hoje fabricam alguns dos carros mais caros do planeta. O pior é que esse protecionismo acabou fazendo com que os investimentos se concentrassem nas rodovias, também as mais caras e menos eficazes. Resultado: produzimos milho e soja mais baratos que os americanos, só que, quando o carregamento chega ao porto, a vantagem já se perdeu. O objetivo de um país não deve ser o de enriquecer alguns poucos empresários, mas a sociedade como um todo.

Vários leilões voltados para a infraestrutura fracassaram. O problema está nos investidores ou no governo brasileiro?
 
O maior obstáculo reside no marco regulatório. No mundo todo se fazem leilões sob um arcabouço de regras já testadas e satisfatórias, mas o Brasil insiste em inventar normas, gerando incerteza e desconfiança. O investidor tem medo de ser surpreendido por algo que fará aumentar seus custos, como já ocorreu com a energia elétrica. É bom ressaltar que, no recente leilão dos aeroportos, se viu o oposto; o governo formulou regras que estimulavam os investimentos. E eles vieram. Também pesou aí o fato de uma empreiteira ser sócia do grupo vencedor. Empreiteiras sempre selam bons negócios com governos, e isso deve ter dado certa tranquilidade aos demais parceiros.

"Ok.Ok. Mas não posso deixar de registrar o equivoco: “A agricultura brasileira evoluiu justamente por ser um setor menos protegido e mais competitivo.” O Prof. não analisou os programas de ajuda ao setor primário: vai desde a política de preço mínimo (que aposta sempre em superprodução, através de preços mínimos caridosos e financiamentos públicos (Banco do Brasil e até BNDES) à política amalucada do Proálcool. Ambos concentram riqueza e poder econômico, levando ou mantendo o campo vazio.  Quanto aos planos de privatização, pouco falo, porque o mesmo digo do Prof. que me parece prudente e cauteloso na discussão do assunto".

Está em julgamento no STF a compensação aos poupadores por supostas perdas dos antigos planos econômicos. Será a maldição de que no Brasil até o passado é incerto?

Esse episódio traz lições importantes. A primeira é que medidas voluntaristas, como o Plano Collor, não só não resolvem os problemas como deixam sequelas. Planos mágicos nunca funcionam. Felizmente não vejo hoje no Brasil ninguém ensaiando nada parecido. Mas convivemos, sim, com o segundo aspecto para o qual essa discussão toda chama atenção: a morosidade do Judiciário. Passaram-se mais de duas décadas até que a questão chegasse a um julgamento definitivo. Tal demora para dirimir dúvidas que envolvem tanto dinheiro é, com certeza, um fator de risco. E risco afasta investimento.

"Ok.Ok.OK"
O Brasil ocupa os últimos lugares nos rankings mundiais de inovação. Como mudar isso?

O segredo está em criar canais de comunicação entre a academia e o mercado. Temos um bom ponto de partida: 200000 pesquisadores e mais de 10 000 Ph.D., publicações de nível internacional e instituições como a Embrapa e o ITA. O difícil é pôr a tecnologia a serviço da sociedade de forma rápida e eficiente. Em 1999, o número de registros de patentes brasileiras nos Estados Unidos era praticamente igual ao da índia e da China: cerca de 100 por ano. Hoje, a índia registra anualmente mais de 4 000 patentes; a China, 6000; e o Brasil quase não andou. Na origem desse atraso está a eterna discussão sobre uma suposta disputa entre pesquisa teórica e pesquisa aplicada, discussão tola e contraproducente.

"Ok.Ok Embora entenda que os maiores problemas estejam na sindicalização danosa das nossas universidades publicas e na falta de recursos públicos. Além disso, as inovações só poderiam aparecer se tivéssemos um contingente de engenheiros, físicos e outros assemelhados desfrutando de um ambiente competitivo - economia aberta às importações.  Quando você entra em uma loja americana de acessórios para qualquer ramo, desde a pescaria a produtos sofisticados é que podemos perceber claramente a impossibilidade de se ter inovações por aqui. Insisto que o ambiente competitivo ausente é fator restritivo importante. Só educação não basta – Veja Cuba, por exemplo!"

Como os estudantes brasileiros enviados às melhores universidades do mundo pelo programa Ciência sem Fronteiras podem ajudar a imprimir essa nova mentalidade?

Outros países experimentaram enorme progresso com iniciativas desse tipo. Os empresários bem-sucedidos de Taiwan, uma grande potência em eletrônicos, estudaram nos Estados Unidos e regressaram para fundar suas empresas. Mas não basta enviar os alunos, sentar-se e esperar que promovam uma revolução. É preciso assegurar que as universidades tenham condições de lhes oferecer bons salários, estrutura para a investigação científica e um ambiente profícuo. É necessário promover a concentração de cérebros. Reunir talentos é o maior de todos os incentivos. Durante quinze anos, viajei diariamente de Nova York a Princeton, em Nova Jersey. Fazia o trajeto de duas horas de trem com gosto, porque sabia que encontraria lá uma atmosfera intelectualmente estimulante. Em pesquisa, conta muito quem são seus colegas. Outro fator decisivo para atrair talentos é o grau de urbanização da cidade. Quem pode escolher prefere, em geral, lugares bem organizados, com baixos índices de criminalidade e alta oferta de serviços e cultura. Isso só se alcança com uma eficiente política urbana.
"OK.Ok"
É o caso de Nova York?

Sim, ali estão instalados um centro financeiro, empresas de tecnologia e grandes grupos de mídia. O Google inaugurou um enorme laboratório na cidade, porque, afinal, é lá que os jovens querem morar. Isso não é fruto de uma política.

O prefeito Michael Bloomberg percebeu que faltavam boas escolas de engenharia e abriu uma concorrência internacional para escolher entre as melhores do mundo qual ganharia o terreno para se instalar na cidade. A disputa foi acirrada. Venceu a Universidade Cornell, em associação com o Instituto de Tecnologia de Israel. Iniciativas assim mostram como o Estado pode incentivar o verdadeiro avanço.




Comentários

Postagens mais visitadas